Planejamento e Segurança Pública

A segurança pública no Brasil é algo que nenhum governo consegue arrumar, seja em nível municipal, estadual ou federal, ninguém consegue dar um jeito nesse problema que afeta a milhões de pessoas cotidianamente. Planejamento e Segurança pública devem ser partes integrantes das ações de policia.

Isso ocorre principalmente, porque, não há, no país, nenhuma política relativa a segurança pública, tudo é feito meio no improviso, não existe nenhum planejamento com a objetivo de mudar esse panorama de violência extrema que o Brasil enfrenta.

Uns dos grandes problemas que o Brasil tem em relação a segurança pública, é a falta de continuidade nos projetos políticos relativos a esse tema.

Planejamento e Segurança Pública

Planejamento e Segurança Pública

Para citar somente um exemplo, pode-se observar que o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), criado na gestão Lula, até foi mantido nos primeiros anos de Rousseff, mas depois, acabou extinto por ela mesma na segunda parte de seu mandato, em troca do projeto Brasil Mais Seguro.

A grande questão é, porque mudar um projeto, do governo anterior, que era do mesmo partido, isso atrasa os planos de política pública e atrapalha a planejamento.

“Em muitos casos a participação do governo federal se resume em comprar viaturas e oferecer treinamento para os policiais. Isso não é uma política de segurança”. Diz o sociólogo José Luiz Ratton, professor da Universidade Federal de Pernambuco e um dos idealizadores do Pacto Pela Vida, projeto do governo pernambucano que reduziu os homicídios em quase 60% em sete anos.

Sistema nacional de divulgação dos dados estatísticos

Outro fator que atrapalha muito a realização de qualquer tipo de planejamento bem feito é a falta de transparência na divulgação dos dados, no Brasil, ainda não existe nenhum órgão que faça esse serviço.

Países como os Estados Unidos ou o Canadá produzem há quase um século anuários estatísticos detalhando onde ocorreram os principais crimes. O governo brasileiro nunca fez por si só nada parecido.

Ao invés disso, financia alguns projetos específicos, como o anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública ou Mapa da Violência. São iniciativas importantes, mas sem o carimbo direto da União perdem um pouco do seu valor.

Sem valor da vida

Por essas razões, o Brasil ainda patina no que se refere a um planejamento bem feito com relação a uma política nacional de segurança pública, e isso, como afirma o sociólogo Pedro Bodê de Moraes, da Universidade Federal do Paraná, traz a impressão de que “A vida vale muito pouco no Brasil”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *